Tempo de permanência e motivos de retirada de cateter venoso periférico em unidade neonatal

Autores

DOI:

https://doi.org/10.17267/2317-3378rec.2023.e5122

Palavras-chave:

Criança Hospitalizada, Cateterismo Venoso Periférico, Unidade de Terapia Intensiva Neonatal, Enfermagem neonatal

Resumo

INTRODUÇÃO: Identificar o tempo médio de permanência do cateter venoso periférico, descrever os motivos de retirada do cateter venoso periférico dos recém-nascidos em uso de cateter venoso periférico internados em uma unidade neonatal. MÉTODOS: Pesquisa quantitativa com recém-nascidos que estiveram hospitalizados em uma Unidade Neonatal entre dezembro de 2021 a maio de 2022. Os dados foram obtidos a partir dos prontuários eletrônicos e da ficha de classificação diária dos dispositivos intravenosos periféricos preenchidos na unidade neonatal, posteriormente organizados em planilhas para a análise descritiva. RESULTADOS: O peso médio dos recém-nascidos foi de 2312,68 gramas, os principais motivos de internação foram desconforto respiratório e prematuridade. Foram 132 punções analisadas, o tempo mais frequente de permanência do cateter foi de um dia, com 40,9%; observou-se também que 9,8% não duram 24 horas. A infusão contínua é utilizada em 50,8% dos casos, sendo os principais motivos de retirada infiltração e extravasamento, enquanto que a obstrução é predominante em terapias intermitentes. CONSIDERAÇÕES FINAIS: Os cateteres apresentam baixa permanência nos neonatos e são removidos por fim de tratamento ou complicações. Identificar os riscos nos permite desenvolver barreiras de proteção na terapia intravenosa periférica e contribuir para a prática de cuidados diários.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Referências

(1) Nakandakari RA, Balieiro MMFG, Anacleto ASCB, Kusahara DM, Avelar AFM. Nursing practices related to peripheral intravenous catheterization in newborns and children. Rev. Soc. Bras. Enferm. Ped. 2018;18(1):29-36. https://doi.org/ 10.31508/1676-3793201800005

(2) Silva JB, Cabrera VF, Prado TP, Pimentel SM, Santos LF. Fatores associados a remoção do dispositivo de acesso vascular periférico em pacientes pediátricos. Enferm. Foco [Internet]. 2020;11(6):21-7. Available from: http://revista.cofen.gov.br/index.php/enfermagem/article/view/3297/1051

(3) Sena EMAB, Bastos MLA, Nagliate PC, Costa LC, Lopes MMCO, Lucio IML. Peripheral venipucture in prematuros: nursing care for patient safety. Rev Enferm UFPE [Internet]. 2018;12(1):1-10. Available from: https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/biblio-916583

(4) Rickard CM, Webster J, Wallis MC, Marsh N, McGrail MR, French V, et all. Routine versus clinically indicated replacement of peripheral intravenous catheters: a randomised controlled equivalence trial. The Lancet. 2012;380:1066-1074. https://doi.org/10.1016/S0140-6736(12)61082-4

(5) López JLG, Vilela AA, Palacio EF, Olivares CJ, Benedicto MC, Herrera PP. Indwell times, complications and costs of open vs closed safety peripheral intravenous catheters: a randomized study. J Hosp Infect. 2014;86(2):117-26. https://doi.org/10.1016/j.jhin.2013.10.008

(6) Menezes SO, Gomes MASM, Filho FL. Management of vascular access in very low birth weight newborns admitted to public neonatal intensive care units in municipality of Rio de Janeiro. Rev Pesq Saúde [Internet]. 2013;14(1):11-15. Available from: https://periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/revistahuufma/article/view/1717

(7) Gonçalves KPO, Sabino KN, Azevedo RVM, Canhestro MR. Evaluation of maintenance care for peripheral venue catheters through indicators. REME – Rev Min Enferm [Internet]. 2019;23:e-1251. Available from: https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/biblio-1048761

(8) Soares F. Cateteres Periféricos: Novas Recomendações da ANVISA Garantem Segurança na Assistência. Brasília: Biblioteca virtual Cofen; 2019 [uptaded 2019 mar 13; cited 2023 sept 14]. Available from: http://biblioteca.cofen.gov.br/cateteres-perifericos-novas-recomendacoes-anvisa-garantem-seguranca-assistencia/#

(9) Rodrigues EC, Cardoso MVLML, Campos FMC, Gazelle TGA, Nobre KSS, Oliveira NR. Content Translation And Validation Of The Pediatric PIV Infiltration Scale Into Brazilian Portuguese. Rev Bras Enferm. 2020;73(4). https://doi.org/10.1590/0034-7167-2019-0300

(10) Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente. Principais Questões sobre Ambiência em Unidades Neonatais [Internet]. 2019. [updated 2019 feb. 21]. Available from: https://portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br/atencao-recem-nascido/principais-questoes-sobre-ambiencia-em-unidades-neonatais/.

(11) Ministério da Saúde (Brazil), Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein. Nota técnica para organização da rede de atenção à saúde com foco na atenção primária à saúde e na atenção ambulatorial especializada - saúde da criança [Internet]. São Paulo: Anvisa; 2021. Available from: https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/biblio-1223374.

(12) Pereira HP, Secco IL, Arrué AM, Reichembach MT, Makuch DM. Conhecimento da equipe de enfermagem sobre cuidados com cateter central de inserção periférica em neonatos. Rev Soc Bras Enferm Ped. 2021;21(1):29-36. https://doi.org/10.31508/1676-3793202100005

(13) Bitencourt ES, Leal CN, Boostel R, Mazza VA, Felix JVC, Pedrolo E. Prevalence of phlebitis related to the use of peripheral intravenous devices in children. Cogitare Enfermagem. 2018. 23(1):e49361. http://dx.doi.org/10.5380/ce.v23i1.49361

(14) Danski MTR, Mingorance P, Johann DA, Vayego SA, Lind J. Incidência de complicações locais e fatores de risco associados ao cateter intravenoso periférico em neonatos. In: Frias AMA, Agostinho CC. Obra Prima: A Arte de Cuidar no Início da Vida. Guarujá: Editora Científica Digital; 2021. p. 282-93. Available from: https://www.editoracientifica.com.br/artigos/incidencia-de-complicacoes-locais-e-fatores-de-risco-associados-ao-cateter-intravenoso-periferico-em-neonatos

(15) Braga LM, Parreira PMSD, Arreguy-Sena C, Carlos DM, Mónico LSM, Henriques MAP. Incidence rate and the use of flushing in the prevention of obstructions of the peripheral venous catheter. Texto & Contexto – Enfermagem. 2018;27(4):e2810017. https://doi.org/10.1590/0104-07072018002810017

(16) Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Brazil). Práticas seguras para a prevenção de incidentes envolvendo cateter intravenoso periférico em serviços de saúde [Internet]. Brasília: Anvisa; 2022. Available from: https://ameci.org.br/wp-content/uploads/2022/07/Nota-t%C3%A9cnica-preven%C3%A7%C3%A3o-les%C3%A3o-associada-a-cateter-venoso-rev-GVIMS-26-07-22-para-o-portal.pdf

(17) Silva LRFG, Dantas KL, Silva MAD, Silva LM, Silva BCLM, Ventura CMU, Santos CS. Complicações relacionadas ao Cateter Central De inserção Periférica (PICC) em UTI neonatal [final paper] [Internet]. Recife: Faculdade Pernambucana de Saúde; 2021. Available from: https://tcc.fps.edu.br/handle/fpsrepo/1125

(18) Krempser P, Caldas CP, Sena CA, Melo LD. Social representations and pediatric venus puncture stressors: contributions to nursing care. Enferm. Foco. 2020. 11(4):15-21. https://doi.org/10.21675/2357-707X.2020.v11.n4.3032

(19) Almeida TJC, Miranda JOF, Santos LM, Santana RCB, Camargo CL, Sobrinho CLN. Peripheral venous accesses in hospitalized children: a photographic study. Rev enferm UFPE [Internet]. 2016;10(2):701-7. Available from: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/ viewFile/11009/12379

(20) Batista OMA, Moreira RF, Sousa AFL, Moura MEB, Andrade D, Madeira MZA. Complicações locais da terapia intravenosa periférica e fatores associados em hospital brasileiro. Revista Cubana de Enfermería [Internet]. 2018;34(3). Available from: https://revenfermeria.sld.cu/index.php/enf/article/view/1246

Publicado

29.09.2023

Edição

Seção

Artigos Originais

Como Citar

Tempo de permanência e motivos de retirada de cateter venoso periférico em unidade neonatal. (2023). Revista Enfermagem Contemporânea, 12, e5122. https://doi.org/10.17267/2317-3378rec.2023.e5122

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

<< < 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >>