Representações sociais de cura em pessoas de alta por cura de hanseníase

Autores

DOI:

https://doi.org/10.17267/2317-3378rec.2022.e4194

Palavras-chave:

Hanseníase, Comportamento social, Alta hospitalar, Estigma social, Determinantes Sociais de Saúde

Resumo

OBJETIVO: Analisar as representações sociais de cura em pessoas atingidas por hanseníase multibacilar que receberam alta por cura. MÉTODOS: Estudo de caráter descritivo e qualitativo, desenvolvido no Ceará- Brasil, no período de janeiro a outubro de 2016. OS participantes foram dez indivíduos de ambos os sexos, maiores de 18 anos, atingidos pela forma multibacilar de hanseníase, com alta por cura. A coleta de dados foi mediante a entrevista estruturada gravada, e a análise por meio do Discurso do Sujeito Coletivo. RESULTADOS: A totalidade dos participantes não soube definir hanseníase, ou explicar o que seria a doença, assim como que a doença seria provocada por uma bactéria. Os discursos denotam que, em comparação com o tempo antes da doença, a vida está diferente, não é boa e normal. Com isso, observa-se o confronto: vida antes e depois da doença. CONCLUSÃO: Em indivíduos com reações hansênicas e com grau de incapacidade elevado, foram encontradas, na maioria dos discursos, expressões chave que significaram ausência de cura. Além disso, as representações sociais de cura são complexas, dinâmicas e fortemente associadas à comparação antes e depois da doença, o antes funcionando como referência para a normalidade da vida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Ministério da Saúde. Departamento de Atenção Básica (Brasil). Guia para o Controle da hanseníase [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2002. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_de_hanseniase.pdf

Santos KCB, Corrêa RGCF, Rolim ILTP, Pascoal LM, Ferreira AGN. Estratégias de controle e vigilância de contatos de hanseníase: revisão integrativa. Saúde Debate. 2019;43(121):576-591. https://doi.org/10.1590/0103-1104201912122

Meneguello C, Borges V. Patrimônio, memória e reparação: a preservação dos lugares destinados à hanseníase no estado de São Paulo. Patrimônio e Memória [Internet]. 2018;14(2):345-374. Disponível em: https://pem.assis.unesp.br/index.php/pem/article/view/771/1055

Souza EA, Ferreira AF, Boigny RN, Alencar CH, Heukelbach J, Martins-Melo FR, et al. Hanseníase e gênero no Brasil: tendências em área endêmica da região nordeste, 2001-2014. Rev Saúde Pública. 2018;520:20. https://doi.org/10.11606/S1518-8787.2018052000335

Boigny RN, Souza EA, Romanholo HSB, Araújo OD, Araújo TME, Carneiro MAG, et al. Persistência da hanseníase em redes de convívio domiciliar: sobreposição de casos e vulnerabilidade em regiões endêmicas no Brasil. Cad. Saúde Pública. 2019;35(2):e00105318. https://doi.org/10.1590/0102-311X00105318

Santos AR, Ignotti E. Prevenção de incapacidade física por hanseníase no Brasil: análise histórica. Ciênc saúde coletiv. 2020;25(10):3731-3744. https://doi.org/10.1590/1413-812320202510.30262018

Barbosa JC, Junior ANR, Alencar OM, Pinto MSP, Castro CGJ. Atenção pós-alta em hanseníase no Sistema Único de Saúde: aspectos relativos ao acesso na região Nordeste. Cad. Saúde Pública. 2014;22(4): 351-8. https://doi.org/10.1590/1414-462X201400040008

Pinheiro MGC, Miranda FAN, Simpson CA, Carvalho FPB, Ataide CAV, Lira ALBC. Compreendendo a “alta em hanseníase”: uma análise de conceito. Rev Gaúcha Enferm. 2017;38(4):e63290. https://doi.org/10.1590/1983-1447.2017.04.63290

Rodrigues RN, Arcêncio RA, Lana FCF. Epidemiologia da hanseníase e a descentralização das ações de controle no Brasil. Rev Baiana Enferm. 2021;35:e39000. https://doi.org/10.18471/rbe.v35.39000

Lima RCP, Campos PHF. Núcleo figurativo da representação social: contribuições para a educação. Educ rev. 2020;36:e206886. http://dx.doi.org/10.1590/0102-4698206886

Jodelet D. Representações sociais e mundos de vida. Paris: Éditions des archives contemporaines. São Paulo: Fundação Carlos Chagas; Curitiba: PUCPRess; 2017.

Passos ALV, Araújo LF. Representações sociais da hanseníase: um estudo psicossocial com moradores de um antigo hospital colônia. Interações. 2020;21(1):93-105. http://dx.doi.org/10.20435/inter.v21i1.1944

Fontanella BJB, Ricas J, Turato ER. Amostragem por saturação em pesquisas qualitativas em saúde: contribuições teóricas. Cad Saúde Pública [Internet]. 2008;24(1):17-27. Disponível em: https://www.scielo.br/j/csp/a/Zbfsr8DcW5YNWVkymVByhrN/?format=pdf&lang=pt

Lefevre F, Lefevre AMC, Marques MCC. Discurso do sujeito coletivo, complexidade e auto-organização. Ciênc saúde Coletiva. 2009;14(4):1193-1204. https://doi.org/10.1590/S1413-81232009000400025

Leite TRC, Lopes MSV, Maia ER, Cavalcante EGR. Avaliação da estrutura da atenção primária à saúde na atenção à hanseníase. Enferm Foco. 2019;10(4):73-78. https://doi.org/10.21675/2357-707X.2019.v10.n4.2216

Costa NC, Macedo GO, Miranda AC, Oliveira FAS, Sant’Anna CC, Almeida MKC, et al. Evolução terapêutica da hanseníase da era chaulmúrgica até o tratamento nacional na colônia do Prata, norte do Brasil. Rev Amaz Ciênc Farmac. 2020;1(1):16-25. https://doi.org/10.17648/2675-5572.racf.v1n1-2

Silva LMA, Barsaglini RA. “A reação é o mais difícil, é pior que hanseníase”: contradições e ambiguidades na experiência de mulheres com reações hansênicas. Physis. 2018;28(4):e280422. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312018280422

Heinen RC. Poliquimioterapia no tratamento da hanseníase. Revista Saúde Física e Mental [Internet]. 2017 5(2). Disponível em: https://revista.uniabeu.edu.br/index.php/SFM/article/view/2779/2076

Gouvêa AR, Martins JM, Poscla C, Dias TAA, Neto JMP, Rondina GPF, et al. Interrupção e abandono no tratamento da hanseníase. Braz. J. Hea. Rev. 2020;3(4):10591-10603. https://doi.org/10.34119/bjhrv3n4-273

Lima EO, Silva MRF, Marinho MNASB, Alencar OM, Pereira TM, Oliveira LC, et al. Itinerário terapêutico das pessoas com hanseníase: caminhos, lutas e desafios em busca do cuidado. Rev Bras Enferm. 2021;74(1):e20200532. http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2020-0532

Silva LOL, Rodrigues SM, Brandão MBF, Dias CA, Fernandes ETP. Representações sociais do processo de diagnóstico e cura da hanseníase. Rev Psic Saúde. 2020;12(2):73-87. http://dx.doi.org/10.20435/pssa.v0i0.859

Filgueira AA, Linhares MSC, Farias MR, Oliveira AGRC, Teixeira AKM. Relação da saúde bucal com reações hansênicas em município hiperendêmico para hanseníase. Cad Saúde Colet. 2020;28(1):44-55. https://doi.org/10.1590/1414-462X202028010033

Gracie R, Peixoto JNB, Soares FBR, Hacker MAV. Análise da distribuição geográfica dos casos de hanseníase. Rio de Janeiro, 2001 a 2012. Ciênc. saúde colet. 2017;22(5):1695-1704. https://doi.org/10.1590/1413-81232017225.24422015

Nogueira PSF, Marques MB, Coutinho JFV, Maia JC, Silva MJ, Moura ERF. Fatores associados à capacidade funcional de idosos com hanseníase. Rev Bras Enferm. 2017;70(4):744-51. http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0091

Silva JP, Oliveira JPA, Martinelli S, Grunevald RPB, Malcher DA, Romani ACT, et al. Hanseníase: ocorrência das reações hansênicas. FACIDER Revista Científica [Internet]. 2018;11:1-11. Disponível em: http://revista.sei-cesucol.edu.br/index.php/facider/article/view/160/201

Lima SM, Brito KKG, Santana EMF, Nóbrega MM, Carvalho PS, Oliveira SHS, et al. Qualidade de vida de pacientes com reações hansênicas. Cogitare enferm. 2019;24:e62921. http://dx.doi.org/10.5380/ce.v24i0.62921

Santos ALS, Pereira IV, Ferreira AMR, Palmeira IP. Percepções de portadores de hanseníase sobre as reações hansênicas e o cuidado de si. Rev Pan-Amaz Saúde. 2018;9(4):37-46. http://dx.doi.org/10.5123/s2176-62232018000400004

Publicado

2022-07-21

Como Citar

Ribeiro, M. D. A., Silva, J. C. A., da Silva, L. N. ., Oliveira, S. B., & Lira, G. V. (2022). Representações sociais de cura em pessoas de alta por cura de hanseníase. Revista Enfermagem Contemporânea, 11, e4194. https://doi.org/10.17267/2317-3378rec.2022.e4194

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)