Características clínicas e demográficas de mães e recém-nascidos atendidos na casa de parto David Capistrano Filho/RJ

Autores

DOI:

https://doi.org/10.17267/2317-3378rec.2022.e4512

Palavras-chave:

Parto normal, Parto humanizado, Recém-nascido, Enfermagem obstétrica

Resumo

OBJETIVO: Descrever as características clínicas e demográficas de mães e recém-nascidos atendidos em casa de parto. MÉTODO: Pesquisa epidemiológica transversal com coleta retrospectiva em banco de dados de prontuários de uma casa de parto de um município de Rio de Janeiro de 949 neonatos referente ao período de 2014 e 2018.  RESULTADOS: A grande parte das mulheres se autodeclarou negra (64,9%). A faixa etária prevalente foi de 20 a 34 anos (81,3%) e o pré-natal foi iniciado no segundo trimestre gestacional (53,5%). Quanto às características do recém-nascido, 50,8% eram do sexo feminino e 73,3% pesaram 3.000g ou mais. O índice de Apgar no primeiro (98,7%) e no quinto minuto (99,6%) foram maiores que 7. O aleitamento materno (98,3%) e o contato pele a pele (99,3%) foram realizados na maioria dos nascimentos, assim como o clampeamento tardio e oportuno (98,6%). A administração da vitamina K ocorreu em 97,8% e vacina de Hepatite B em 97,4% dos recém-nascidos e a maioria não necessitou de aspiração de vias aéreas superiores (97,4%) e manobras de reanimação (97,5%). CONCLUSÃO: Os dados apontam um perfil de mães adultas jovens e de recém-nascidos, em sua maioria saudáveis, para os quais foram prestados cuidados baseados nas boas práticas recomendadas pelas diretrizes nacionais de assistência ao parto normal do Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

(1) Ministério da Saúde (Brasil). Diretriz nacional de assistência ao parto normal. Relatório de recomendação. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2016. Available from: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diretrizes_nacionais_assistencia_parto_normal.pdf

(2) Ministério da Saúde (Brasil), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Atenção à saúde do recém-nascido: guia para os profissionais de saúde [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2012. Available from: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/atencao_saude_recem_nascido_profissionais_v1.pdf

(3) Angelim SMAV, Coelho ASF, Pires ACAC, Coelho AB, Ribeiro LSO, Schadosim JM, et al. Caracterização do modelo assistencial ao parto e nascimento realizado por residentes de enfermagem obstétrica. Enferm foc. 2021;12(4):813-9. https://doi.org/10.21675/2357-707X.2021.v12.n4.4639

(4) World Health Organization (WHO). WHO recommendations: Intrapartum care for a positive childbirth experience. [Internet]. Geneva: WHO; 2018. Available from: http://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/260178/9789241550215-eng.pdf;jsessionid=05998F341ED82FD1AFC95ABE98600E55?sequence=1

(5) Pereira RM, Fonseca GO, Pereira ACCC, Gonçalves GA, Mafra RA. New childbirth practices and the challenges for the humanization of health care in southern and southeastern Brazil. Ciênc saúde colet. 2018;23(11):3517-3524. https://doi.org/10.1590/1413-812320182311.07832016

(6) Dias MAB, Domingues RMSM. Challenges for the implementation of a humanization policy in hospital care for childbirth. Ciênc saúde colet. 2005;10(3):699-705. https://doi.org/10.1590/S1413-81232005000300026

(7) Garcia LV, Telles JM, Bonilha ALL. The normal delivery center and its contribution to obstetric and neonatal care in Brazil. Revista Eletrônica Acervo Saúde [Internet]. 2017;7:S356-S363. Available from: https://acervomais.com.br/index.php/saude/article/view/8278

(8) Ministério da Saúde (Brasil). Resolução Nº 466, de 12 de dezembro de 2012 [Internet]. Brasília: DOU nº. 12, Seção 1, Página 59. Available from: https://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf

(9) Viellas EF, Franco Netto TL, Gama SGN, Baldisserotto ML, Prado Neto PF, Rodrigues MR, et al. Childbirth care for adolescents and advanced maternal age in maternities linked to Rede Cegonha. Ciênc saúde colet. 2021;26(3): 847–58. https://doi.org/10.1590/1413-81232021263.12492020

(10) Lopes GA, Leister N, Riesco, MLG. Perineal care and outcomes in a birth center. Texto contexto – enferm. 2019;28:e20190168. https://doi.org/10.1590/1980-265X-TCE-2018-0168

(11) Ministério da Saúde (Brasil). Banco de dados do Sistema Único de Saúde - DATASUS. Informações de Saúde, Sistema de Informações de Nascidos Vivos [Internet]. Available from: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?sinasc/cnv/nvuf.def

(12) Ritter SK, Gonçalves AC, Gouveia HG. Care practices in normal-risk births assisted by obstetric nurses. Acta paul. enferm. 2020;33:eAPE20180284. http://dx.doi.org/10.37689/acta-ape/2020ao0284

(13) Broday GA, Kluthcovsky ACGC. Infant mortality and Family health strategy in the 3rd health regional of Paraná, from 2005 to 2016. Rev paul pediatr. 2022;40:e2020122. https://doi.org/10.1590/1984-0462/2022/40/2020122.

(14) Coca KP, Pinto VL, Westphal F, Mania PNA, Abrão ACFV. Bundle of measures to support intrahospital exclusive breastfeeding: evidence of systematic reviews. Rev paul pediatr. 2018;36(2):214–20. https://doi.org/10.1590/1984-0462/;2018;36;2;00002

(15) Silva SG. From fetus to baby: Winnicott and the first parent-infant relationships. Psicol. clin. [Internet]. 2016;28(2):29-54. Available from: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-56652016000200003&lng=pt&nrm=iso

(16) McDonald SJ, Middleton P, Dowswell T, Morris PS. Effect of timing of umbilical cord clamping of term infants on maternal and neonatal outcomes. Cochr Datab Syst Rev. 2013;7:cd004074. https://doi.org/10.1002/14651858.CD004074.pub3

(17) Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP). Monitoramento do recém-nascido com asfixia perinatal [Internet]. Nº 8, Setembro de 2020. Available from: https://www.sbp.com.br/fileadmin/user_upload/22631c-MO-_Monitoram_do_RN_c_asfixia_perinatal.pdf

(18) Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP). Reanimação recém-nascido ?34 semanas em sala de parto: Diretrizes 2016 da Sociedade Brasileira de Pediatria, 26 de janeiro de 2016 [Internet]. Available from: https://www.sbp.com.br/especiais/reanimacao/

(19) Schmidt N, Abelsen B, Øian P. Deliveries in maternity homes in Norway: results from a 2-year prospective study. Acta Obstet Gynecol Scand. 2002;81(8):731-7. https://doi.org/10.1034/j.1600-0412.2002.810808.x

(20) Mendonça CPS, Araújo VMG, Barros JFS, Sousa RDV, Andrade BBF, Baltar MMS, et al. Transfers of pregnant women and newborns in a Normal Birth Center. Rev eletr acerv saúd. 2021;13(4):e6567. https://doi.org/10.25248/reas.e6567.2021

(21) Lima DM, Riesco MLG, Schneck CA. Neonatal transfers from alongside birth center to a hospital setting. Rev Paul Enferm. 2018;29(1-2-3):47-55. Available from: https://repen.com.br/revista/wp-content/uploads/2018/11/Remo%c3%a7%c3%b5es-neonatais-do-centro-de-parto-normal-peri-hospitalar-para-o-hospital.pdf

Publicado

2022-09-05

Como Citar

Neves, N., Medina, E. T. ., Mouta, R. J. O. ., Silva, S. C. de S. B. ., Mesquita, N. Q. de ., & Silva, A. L. S. . (2022). Características clínicas e demográficas de mães e recém-nascidos atendidos na casa de parto David Capistrano Filho/RJ. Revista Enfermagem Contemporânea, 11, e4512. https://doi.org/10.17267/2317-3378rec.2022.e4512

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)