Coinfecção tuberculose/HIV na Amazônia Ocidental: perfil epidemiológico segundo sexo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.17267/2317-3378rec.2022.e4612

Palavras-chave:

Tuberculose, HIV, Coinfecção, Perfil de Saúde

Resumo

OBJETIVO: analisar o perfil epidemiológico da coinfecção tuberculose/HIV segundo o sexo em um município da Amazônia Ocidental. MÉTODOS: Estudo transversal, realizado com variáveis sociodemográficas, clínicas e de acompanhamento de 278 casos de coinfecção notificados no Sistema de Informação de Agravos de Notificação entre 2014 a 2018. Foi realizada estatística descritiva, teste Qui-quadrado e exato de Fisher. RESULTADOS: A maioria dos casos apresentava raça/cor parda (79,5%); menos de oito anos de escolaridade (64,4%). A minoria constituía populações especiais e apresentavam comorbidades. Casos novos (62,2%) e forma clínica pulmonar (61,5%) eram predominantes em ambos os sexos. A maioria foi notificada em hospitais (67,3%); não realizaram teste rápido molecular (63,6%), nem teste de sensibilidade (94,1%); apresentavam imagem sugestiva de TB (79,1%); era acompanhada por serviço especializado (68,7%); não realizavam Tratamento Diretamente Observado (83,8%). Resultado positivo de baciloscopia de diagnóstico e realização de baciloscopia no primeiro mês de tratamento estiveram associadas ao sexo masculino. A taxa de cura foi baixa e de abandono do tratamento foi alta em ambos os sexos. O óbito foi alto entre o sexo masculino. CONCLUSÃO: O perfil epidemiológico dos casos diferiu entre o sexo quanto ao resultado da baciloscopia de diagnóstico e realização da baciloscopia de controle.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

(1) Ministério da Saúde (Brasil), Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico de Tuberculose 2020 [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2020. Disponível em: http://www.aids.gov.br/pt-br/pub/2020/boletim-epidemiologico-de-turbeculose-2020

(2) Ministério da Saúde (Brasil), Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Manual de Recomendações para o Controle da Tuberculose no Brasil [Internet]. 2a. ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2019. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_recomendacoes_controle_tuberculose_brasil_2_ed.pdf

(3) World Health Organization. Global tuberculosis report 2020 [Internet]. Geneva: WHO; 2020. Disponível em: https://www.who.int/publications/i/item/9789240013131

(4) Ministério da Saúde (Brasil), Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico HIV/Aids 2020 [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2020. Disponível em: http://www.aids.gov.br/pt-br/pub/2020/boletim-epidemiologico-hivaids-2020

(5) Jmaa MB, Ayed HB, Koubaa M, Hammami F, Damak J, Jemaa MB. Is there gender inequality in the epidemiological profile of tuberculosis? Tunis Med. 2020;98(3):232-240. Citado em: PMID: 32395817

(6) World Bank. World development report 1993: investing in health [Internet]. New York: Oxford University; 1993. Disponível em: https://openknowledge.worldbank.org/handle/10986/5976

(7) Duarte R, Lönnroth K, Carvalho C, Lima F, Carvalho ACC, Muñoz-Torrico M, et al. Tuberculosis, social determinants and co-morbidities (including HIV). Pulmonology. 2018;24(2):115-9. https://doi.org/10.1016/j.rppnen.2017.11.003

(8) O'Donnell MR, Daftary A, Frick M, Hirsch-Moverman Y, Amico KR, Senthilingam M, et al. Re-inventing adherence: toward a patient-centered model of care for drug-resistant tuberculosis and HIV. Int J Tuberc Lung Dis. 2016;20(4):430-4. https://doi.org/10.5588%2Fijtld.15.0360

(9) Matumoto S, Fortuna CM, Kawata LS, Mishima SM, Pereira MJB. A prática clínica do enfermeiro na atenção básica: um processo em construção. Rev Latino-Am Enfermagem. 2011;19(1):123-30. https://doi.org/10.1590/S0104-11692011000100017

(10) Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. Cidades e Estados (Porto Velho) [Internet]. Rio de Janeiro: IBGE; 2019. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados/ro/porto-velho.html

(11) Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012 (Brasil). Trata de pesquisas e testes em seres humanos. [Internet]. Diário Oficial da União. 2012. Disponível em: https://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf

(12) Garnelo L, Lima JG, Rocha ESC, Herkrath FJ. Acesso e cobertura da Atenção Primária à Saúde para populações rurais e urbanas na região norte do Brasil. Saúde Debate. 2018;42(1):81-99. DOI: https://doi.org/10.1590/0103-11042018S106

(13) Sala A, Luppi CG, Simões O, Marsiglia RG. Integralidade e Atenção Primária à Saúde: avaliação na perspectiva dos usuários de unidades de saúde do município de São Paulo. Saúde Soc. 2011;20(4):948-60. https://doi.org/10.1590/S0104-12902011000400012

(14) Magnabosco GT, Andrade RLP, Arakawa T, Monroe AA, Villa TCS. Desfecho dos casos de tuberculose em pessoas com HIV: subsídios para intervenção. Acta Paul Enferm. 2019;32(5):554-63. https://doi.org/10.1590/1982-0194201900077

(15) Ali SA, Mavundla TR, Fantu R, Awoke T. Outcomes of TB treatment in HIV co-infected TB patients in Ethiopia: a cross-sectional analytic study. BMC Infect Dis. 2016;16(1):640. https://doi.org/10.1186/s12879-016-1967-3

(16) Ramsay A, Bonnet M, Gagnidze L, Githui W, Varaine F, Guérin PJ. Sputum, sex and scanty smears: new case definition may reduce sex disparities in smear-positive tuberculosis. Int J Tuberc Lung Dis. 2009;13(5):613-619. Citado em: PMID: 19383195

(17) Nascimento IM, Moreira LA, Ribeiro WA, Cordeiro RMS. A saúde do homem: um estudo reflexivo na ótica das ações de promoção à saúde. Revista Pró-UniverSUS [Internet]. 2018;9(2):41-46. Disponível em: http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RPU/article/view/1388

(18) Paula PR, Vador RMF, Barbosa FAF. Desafios do enfermeiro da atenção básica na saúde do homem. Brazilian Journal of Development. 2021;7(12):112127-112144. https://doi.org/10.34117/bjdv7n12-143

(19) Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios [Internet]. Rio de Janeiro: IBGE; 2016. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/trabalho/9171-pesquisa-nacional-por-amostra-de-domicilios-continua-mensal.html?=&t=destaques

(20) World Health Organization. Global tuberculosis report 2019 [Internet]. Geneva: WHO; 2019. Disponível em: https://www.who.int/publications/i/item/9789241565714

(21) Marques CC, Medeiros ER, Sousa MES, Maia MR, Silva RAR, Feijao AR, et al. Casos de tuberculose coinfectados por HIV em um estado do nordeste brasileiro. Enferm Actual Costa Rica. 2019;36:62-76. http://dx.doi.org/10.15517/revenf.v0i36.33583

(22) Bastos SH, Taminato M, Fernandes H, Figueiredo TMRM, Nichiata LYI, Hino P. Perfil Sociodemográfico e de saúde da coinfecção tuberculose/HIV no Brasil: revisão sistemática. Rev Bras Enferm. 2019;72(5):1458-65. http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2018-0285

(23) Oliveira DN, Silva BCO, Queiroz AAR, Nascimento RCA, Barreto VP, Feijão AR. Coinfecção Tuberculose - HIV: Análise Espacial e Perfil Epidemiológico no Rio Grande do Norte. Mundo Saúde. 2022;45:481-492. http://dx.doi.org/10.15343/0104-7809.202145481492

(24) Horton KC, Macpherson P, Houben RMGJ, White RG, Corbett EL. Sex differences in tuberculosis burden and notifications in low- and middle-income countries: a systematic review and meta-analysis. PLoS Med. 2016;13(9):e1002119. https://doi.org/10.1371/journal.pmed.1002119

(25) Ministério da Saúde (Brasil), Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Brasil Livre da Tuberculose - Plano Nacional pelo Fim da Tuberculose como Problema de Saúde Pública [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2017. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/brasil_livre_tuberculose_plano_nacional.pdf

(26) Campoy LT, Arakawa T, Andrade RLP, Ruffino-Netto A, Monroe AA, Arcêncio RA. Qualidade e gestão da atenção à coinfecção tuberculose e HIV no estado de São Paulo. Texto Contexto Enfermagem. 2019;28:e20180166. http://dx.doi.org/10.1590/1980-265X-TCE-2018-0166

Publicado

2022-08-25

Como Citar

Mariano, A. S., Magnabosco, G. T., Andrade, R. L. de P., & Orfão, N. H. . (2022). Coinfecção tuberculose/HIV na Amazônia Ocidental: perfil epidemiológico segundo sexo. Revista Enfermagem Contemporânea, 11, e4612. https://doi.org/10.17267/2317-3378rec.2022.e4612

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)