PERCEPÇÕES DAS GESTANTES E PUÉRPERAS PRESIDIÁRIAS ACERCA DO CONTEXTO CARCERÁRIO

Autores

  • Tânia Christiane Ferreira Bispo Enfermeira, doutora e Pós-doutora, em Saúde Coletiva pelo Instituto de Saúde Coletiva da UFBA- ISC/UFBA, Mestre em Enfermagem na Atenção à saúde da Mulher, Especialista em Enfermagem Obstétrica. Professora da UNEB. Salvador, Bahia, Brasil. Coordenadora do projeto de pesquisa: Ser mulher, estar grávdia e presidiária: difíceis caminhos e do NUPESV Professora da Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública.
  • Fabiane Nascimento Nunes Enfermeira pela Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública
  • Letícia Tannus Rebouças Graduanda de Enfermagem na Universidade Federal da Bahia http://orcid.org/0000-0002-5928-0540
  • Sara Moreira dos Santos Graduanda de Enfermagem na Universidade Estadual da Bahia
  • Renata Adreanne Lyra Alves Sacramento Enfermeira pela Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública

DOI:

https://doi.org/10.17267/2317-3378rec.v5i1.835

Palavras-chave:

Prisões, Gestantes, Percepção

Resumo

O crescimento nacional da população carcerária feminina e ausência de políticas públicas efetivas a esta demanda tem suscitado questionamentos de gestores, educadores e profissionais sobre as ações de saúde prestadas no sistema penitenciário. Foi realizada uma pesquisa qualitativa, descritiva e exploratória, com o objetivo de analisar a percepção de gestantes e puérperas presidiárias sobre o contexto carcerário. O cenário do estudo foi um Complexo Penitenciário feminino da cidade de Salvador/ BA, os sujeitos foram 06 mulheres presidiárias. Para coleta dos dados, após aprovação plena pelo Comitê de Ética em Pesquisa, realizaram-se oficinas e entrevistas semiestruturadas. Utilizou-se a análise temática de Bardin que é composta por: a) pré análise; b) exploração do material e o tratamento dos resultados; c) inferência e interpretação. E foram elencadas as seguintes categorias: Déficit do conhecimento dos cuidados durante a gestação e puerpério; Desfavorecimento do ambiente para a gestação a partir dos aspectos estruturais; Sentimentos com relação à separação de seus filhos. Os dados evidenciaram que as ações de saúde prestadas às gestantes e puérperas presidiárias são deficitárias, principalmente no que tange ao acompanhamento do ciclo gravídico puerperal e ao suporte da separação do binômio. Em relação ao ambiente, os aspectos estruturais não favorecem para o bem-estar dessas mulheres. Desta forma, entende-se que é necessária uma reestruturação da assistência à saúde da gestante ou puérpera em situação de detenção de modo a contribuir para o fortalecimento da melhoria da qualidade da assistência à mulher presidiária, tendo em vista as práticas e condutas humanísticas, em consonância com os programas e políticas públicas do Ministério da Saúde.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Downloads

Publicado

26.08.2016

Edição

Seção

Artigos Originais

Como Citar

1.
Bispo TCF, Nunes FN, Rebouças LT, dos Santos SM, Sacramento RALA. PERCEPÇÕES DAS GESTANTES E PUÉRPERAS PRESIDIÁRIAS ACERCA DO CONTEXTO CARCERÁRIO. Rev Enf Contemp [Internet]. 26º de agosto de 2016 [citado 22º de maio de 2024];5(1). Disponível em: https://journals.bahiana.edu.br/index.php/enfermagem/article/view/835

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)