Efeitos da pressão positiva contínua e de dois níveis na via aérea em edema agudo de pulmão cardiogênico: uma revisão sistemática

Autores

  • Fernanda Cardoso Brito Fisioterapeuta
  • Bruno Prata Martinez Universidade Federal da Bahia Departamento de Fisioterapia
  • Mansueto Gomes Neto Universidade Federal da Bahia Departamento de Fisioterapia
  • Micheli Bernadone Saquetto Universidade Federal da Bahia Departamento de Fisioterapia
  • Cristiano Sena Conceição Universidade Federal da Bahia Departamento de Fisioterapia
  • Cássio Magalhães Silva e Silva Universidade Federal da Bahia Departamento de Fisioterapia

DOI:

https://doi.org/10.17267/2238-2704rpf.v9i2.2178

Palavras-chave:

Ventilação não invasiva. Ventilação com pressão positiva. Ventilação positiva em dois níveis. Edema pulmonar cardiogênico agudo. Insuficiência cardíaca congestiva.

Resumo

INTRODUÇÃO: O edema agudo de pulmão cardiogênico (EAPC) representa uma importante causa de insuficiência respiratória aguda podendo ser atenuada com a instalação de ventilação mecânica não-invasiva (VNI). OBJETIVO: Comparar pressão positiva contínua (CPAP) e pressão positiva de dois níveis (BIPAP) na via aérea em pacientes adultos com EAPC, quanto à função pulmonar, ao tempo de permanência, suas complicações e a dispneia através de uma revisão sistemática. METODOLOGIA: Ensaios clínicos controlados e randomizados (ECR), revisados por dois revisores independentes, conforme recomendações PRISMA, nas bases de dados PubMed e Biblioteca Cochrane. Incluídos estudos originais que utilizaram a CPAP e a BIPAP em pacientes com EAPC publicados na língua inglesa. A Escala PEDro foi utilizada para analisar a qualidade metodológica dos estudos e a Cochrane Collaboration para análise de risco de viés. RESULTADOS: Foram incluídos 13 artigos, publicados entre os anos 1997 e 2014. Os níveis de CPAP variaram entre 5 e 20 cmH2O nos estudos, e BIPAP apresentou-se com pressão inspiratória positiva (IPAP) entre 8 e 20 cmH2O e pressão expiratória positiva (PEEP) entre 3 e 10 cmH2O. Os estudos apresentaram CPAP e BIPAP sem diferença estatisticamente significante para a melhora da função pulmonar (FR, PaO2 e PaCO2), tempo de internamento, taxas de mortalidade, entubação e infarto agudo do miocárdio (IAM); mostrando-se como modalidades igualmente eficazes. CONCLUSÃO: CPAP e a BIPAP garantem os mesmos efeitos para melhora da função pulmonar, não mantém relação com a permanência da internação e complicações, e melhoram o quadro de dispneia.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Publicado

10.05.2019

Edição

Seção

Revisões de Literatura

Como Citar

1.
Brito FC, Martinez BP, Neto MG, Saquetto MB, Conceição CS, Silva e Silva CM. Efeitos da pressão positiva contínua e de dois níveis na via aérea em edema agudo de pulmão cardiogênico: uma revisão sistemática. Rev Pesq Fisio [Internet]. 10º de maio de 2019 [citado 26º de maio de 2024];9(2):250-63. Disponível em: https://journals.bahiana.edu.br/index.php/fisioterapia/article/view/2178

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>