Inovação tecnológica: Desenvolvimento de um aplicativo para profissionais que atuam na área de terapia intensiva – UTI AUX

Autores

DOI:

https://doi.org/10.17267/2238-2704rpf.2022.e4583

Palavras-chave:

Aplicativos móveis, Aplicação de informática médica, Inovação tecnológica, Serviço Hospitalar de Fisioterapia, Unidades de Terapia Intensiva

Resumo

INTRODUÇÃO: Profissionais atuantes na área de terapia intensiva (UTI) são constantemente desafiados a apresentarem um alto nível de desempenho e conhecimento. Neste cenário, destaca-se o fenômeno da utilização de aplicativos móveis (também conhecidos como APPS) entre a população mundial, visando assim ao acesso fácil e rápido à informação com o intuito de auxiliar na tomada de decisão. OBJETIVOS: Desenvolver um APP direcionado para profissionais intensivistas. MÉTODOS: O desenvolvimento do aplicativo (APP) foi feito a partir da plataforma Expo, elaborado em um computador e disponibilizado para as plataformas Android e IOS. As temáticas presentes no aplicativo foram definidas com base no conhecimento de dois fisioterapeutas especialistas em Fisioterapia em Terapia Intensiva Adulto com mais de 10 anos de experiência. RESULTADOS: O APP utiliza uma interface intuitiva, sensível ao toque e de rápido acesso às informações que o usuário solicitar. Há um menu apresentando os botões referentes a cada função do APP, tais como: índices e cálculos; escalas funcionais; exames laboratoriais; sinais vitais; desmame; ventilação mecânica (VM); ventilação não invasiva (VNI). Desta forma, o APP apresenta sete modalidades. O tempo de desenvolvimento do aplicativo foi de 12 meses. CONCLUSÃO: Desenvolvemos um APP com foco em profissionais que atuam em UTIs, com o objetivo de que estes obtenham informações à beira leito assim como facilidade de utilização de instrumentos avaliativos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

(1) Sá Neto JA, Rodrigues BMRD. Tecnologia como fundamento do cuidar em neonatologia. Text context - enferm. 2010;19(2):372-377. https://doi.org/10.1590/S0104-07072010000200020

(2) Honorato DZS, Martins KQL, Vieira SKSF, Campos SAPBM, Almeida CAPL. O uso de tecnologias em saúde na consulta: uma análise reflexiva. Rev Interd. 2015;8(1):234-9.

(3) Ministério da Saúde (Brasil), Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Departamento de Ciência e Tecnologia. Política Nacional de Gestão de Tecnologias em Saúde [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2010. 47 p. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_gestao_tecnologias_saude.pdf

(4) Felipe MSS. Desenvolvimento tecnológico e inovação no Brasil: desafios na área de biotecnologia. Nov estud CEBRAP. 2007;(78):11-14. https://doi.org/10.1590/S0101-33002007000200002

(5) Franco SB. Avaliação de tecnologia em saúde: perfil do usuário brasileiro do programa farmácia popular com hipertensão arterial diagnosticada [dissertação] [Internet]. Brasília: Faculdade Gama; 2017. Disponível em: https://repositorio.unb.br/handle/10482/23522

(6) Sabino LMM, Brasil DRM, Caetano JA, Santos MCL, Alves MDS. Uso de tecnologia leve-dura nas práticas de enfermagem: análise de conceito. Aquic. 2016;16(2):230-239. https://doi.org/10.5294/aqui.2016.16.2.10

(7) Sarmento GJV. Princípios e práticas de ventilação mecânica. 2ª ed. São Paulo: Manole; 2014.

(8) Emmerich JC. Suporte Ventilatório Contemporâneo. Rio de Janeiro: Revinter; 2002.

(9) Banos O, Villalonga C, Garcia R, Saez A, Damas M, Holgado-Terriza JA, et al. Design, implementation and validation of a novel open framework for agile development of mobile health applications. Biomed eng onl. 2015;14(2):S6. https://doi.org/10.1186/1475-925X-14-S2-S6

(10) Viana LS, Oliveira EN, Vasconcelos MIO, Moreira RMM, Fernandes CAR, Ximenes Neto FRG. Educação em saúde e o uso de aplicativos móveis: uma revisão integrativa. Gest Desevol. 2020;(28):75-94. https://doi.org/10.34632/gestaoedesenvolvimento.2020.9466

(11) Barbas CSV, Ísola AM, Farias AMC, Cavalcanti AB, Gama AMC, Duarte ACM, et al. Recomendações brasileiras de ventilação mecânica 2013. Parte I. Rev bras ter intensiva. 2014;26(2):89-121. https://doi.org/10.5935/0103-507X.20140017

(12) Justiano AN. Interpretação de Exames Laboratoriais para o Fisioterapeuta. Rio de Janeiro: Editora Rubio; 2012.

(13) Kawaguchi YMF, Nawa RK, Figueiredo TB, Martins L, Pires-Neto RC. Perme IntensiveCare Unit Mobility Score e ICU Mobility Scale: tradução e adaptação cultural para a língua portuguesa falada no Brasil. J bras pneumol. 2016;42(6):429-434. https://doi.org/10.1590/S1806-37562015000000301

(14) Riberto M, Miyazaki MH, Jucá SSH, Sakamoto H, Pinto PPN, Battistella LR. Validação da versão brasileira da Medida de Independência Funcional. Acta fisiátr. 2004;11(2):72-6. https://doi.org/10.5935/0104-7795.20040003

(15) Silva VZM, Araújo Neto JA, Cipriano Jr. G, Pinedo M, Needham DM, Zanni JM. Versão brasileira da Escala de Estado Funcional em UTI: tradução e adaptação transcultural. Rev bras ter. intensiva. 2017;29(1):34-8. https://doi.org/10.5935/0103-507X.20170006.

(16) Minosso JSM, Amendola F, Alvarenga MRM, Oliveira MA. Validação, no Brasil, do Índice de Barthel em idosos atendidos em ambulatórios. Acta paul enferm. 2010;23(2):218-22e. https://doi.org/10.1590/S0103-21002010000200011

(17) Barra DCC, Paim SMS, Dal Sasso GTM, Colla GW. Métodos para desenvolvimento de aplicativos móveis em saúde: revisão integrativa da literatura. Text context - enferm. 2017;26(4):e2260017. https://doi.org/10.1590/0104-07072017002260017

(18) Barra DCC, Dal Sasso GTM. Tecnologia móvel à beira do leito: processo de enfermagem informatizado em terapia intensiva a partir da cipe 1.0®. Text context - enferm. 2010;19(1):54-63. https://doi.org/10.1590/S0104-07072010000100006

(19) Osaku EF. Desenvolvimento de um software didático para o apoio ao aprendizado de ventilação mecânica [dissertação] [Internet]. Paraná: Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná; 2005. Disponível em: https://repositorio.utfpr.edu.br/jspui/handle/1/110

(20) Blumenthal J, Wilkinson A, Chignell M. Physiotherapists' and Physiotherapy Students' Perspectives on the Use of Mobile or Wearable Technology in Their Practice. Physiother Can. 2018;70(3):251-261. https://doi.org/10.3138/ptc.2016-100.e

Publicado

2022-08-19

Como Citar

Munhoz, J. da S., Pasini, G. de A., Forgiarini , S. G. I., & Forgiarini Junior, L. A. . (2022). Inovação tecnológica: Desenvolvimento de um aplicativo para profissionais que atuam na área de terapia intensiva – UTI AUX. Revista Pesquisa Em Fisioterapia, 12, e4583. https://doi.org/10.17267/2238-2704rpf.2022.e4583

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)