O papel do psicólogo frente a situações de desastres

Autores

DOI:

https://doi.org/10.17267/2317-3394rpds.2023.e4755

Palavras-chave:

Atuação do psicólogo, Desastres naturais, Desastres provocados pelo homem, Equipe de desastre

Resumo

INTRODUÇÃO: Os desastres são considerados eventos vitimadores que provocam danos psíquicos e sofrimento às pessoas atingidas e esses casos exigem que os psicólogos estejam cada vez mais preparados para atuar nessas circunstâncias. OBJETIVO: investigar a atuação do psicólogo frente a situações de desastres. A pesquisa se configurou como qualitativa com delineamento de pesquisa de campo. METODOLOGIA: Foram participantes cinco psicólogas com especializações na área de desastres e emergências. O instrumento utilizado para atingir os objetivos da pesquisa foi um roteiro de entrevista semiestruturado composto por sete perguntas semiabertas. As entrevistas foram gravadas em áudio, transcritas na íntegra e analisadas por meio da análise de conteúdo. RESULTADOS: De acordo com os temas abordados pelas participantes, a atuação do psicólogo em desastres é dividida em: pré-desastre, durante o desastre e pós-desastre, o que dependerá do tipo de evento e condições apresentadas; as vítimas devem receber apoio integral, buscando minimizar os danos gerados pela tragédia. Ressalta-se que não é necessária uma atuação apenas depois que o desastre já ocorreu, mas há, além disso, toda uma preparação no pré-desastre em locais que possuem maior propensão ao acontecimento destes eventos. CONCLUSÃO: O trabalho do profissional da Psicologia no campo dos desastres é de extrema importância para as vítimas, os parentes das vítimas, a comunidade como um todo e até para os profissionais envolvidos, podendo reduzir o estresse agudo, que é gerado a partir da experiência traumática, priorizando que o sujeito recupere sua capacidade cognitiva de agir e sentir a situação.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Referências

Albuquerque, F. J. B. (2008). A psicologia social dos desastres [La psicología social de los desastres]. SciELO Books. https://books.scielo.org/id/886qz/pdf/zanella-9788599662878-21.pdf

Alves, R. B., Lacerda, M. A. D. C., & Legal, E. J. (2012). A autação do psicólogo diante dos desastres naturais: uma revisão [El papel del psicólogo ante los desastres naturales: una revisión].

Psicologia em estudo, 17(2), 307-315. https://www.scielo.br/j/pe/a/5wCT3zj4Bg9XBrmL3wfct8D/abstract/?lang=pt

Angst, R. (2009). Psicologia e resiliência: uma revisão de literatura [Psicología e resiliencia: una revisión de la literatura]. Psicologia argumento, 27(58), 253-260. https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/lil-540796

Associação Brasileira de Psiquiatria. (2009). Intervenção em desastres e catástrofes no contexto da saúde mental [Intervención en desastres y catástrofes en el contexto de la salud mental].

[Cartilha de capacitação]. https://www.saude.sc.gov.br/index.php/documentos/atencao-basica/saude-mental/desastre-deorigem-natural/2961-cartilha-catastrofes-2009/file

Braga, L. A. V. (2009). Terapia Comunitária e Resiliência: histórias de mulheres [Terapia Comunitaria y Resiliencia: historias de mujeres]. [Tesis de maestría, Universidade Federal

da Paraíba]. Repositório institucional da UFPB. https://repositorio.ufpb.br/jspui/handle/tede/5177?locale=pt_BR

Coêlho, A. E. L. (2011). A Prática da Psicologia em Emergências e Desastres: Perspectivas Sociais e Preventivas [La Práctica de la Psicología en Emergencias y Desastres: Perspectivas

Sociales y Preventiva]. Centro Universitário de João Pessoa. https://emergenciasedesastres.cfp.org.br/wp-content/uploads/sites/17/2011/10/TEXTO-ANGELA-COELHO.pdf

Conselho Federal de Psicologia (CFP). (2005). Código de ética profissional do psicólogo [Código de ética profisional del psicólogo]. https://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2012/07/codigo-de-etica-psicologia.pdf

Farias, L. C., Scheffel, R. T., & Schruber Junior, J. (2012). Atuação do psicólogo nas emergências e desastres [Rol del psicólogo en emergencias y desastres]. [Monografia, Faculdade

Guilherme Guimbala]. http://www.abrapede.org.br/wp-content/uploads/2013/01/Atua%C3%A7%C3%A3o-do-Psic%C3%B3logo-nas-Emerg%C3%AAncias-e-Desastres.pdf

Favero, E., Sarriera, J. C., & Trindade, M. C. (2014). O desastre na perspectiva sociológica e psicológica [El desastre en la perspectiva sociológica y psicológica]. Psicologia em Estudo, 19(2), 201-209. https://doi.org/10.1590/1413-737221560003

Gonçalves, C. D. (2012). “Desastres naturais”. Algumas considerações: vulnerabilidade, risco e resiliência [“Desastres naturales”. Algunas consideraciones: vulnerabilidad, riesgo y resiliencia]. Territorium, 19, 5-14. https://www.academia.edu/2321500/_Desastres_Naturais_Algumas_Considera%C3%A7%C3%B5es_Vulnerabilidade_Risco_e_Resili%C3%AAncia

Gonçalves, R. S. P. (2020). O trabalho do psicólogo em situações de emergências e desastres [El trabajo del psicólogo en situaciones de emergencia y desastre]. [Monografia, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul]. Biblioteca Unijui. https://bibliodigital.unijui.edu.br:8443/xmlui/handle/123456789/6573

Machado, I. F. O., & Moraes, R. C. P. (2017). Psicologia sóciohistórica, emergências e desastres [Psicología socio-histórica, emergencias y desastres]. Revista Fafibe On-Line, 10(1), 124–137, www.unifafibe.com.br/revistasonline/arquivos/revistafafibeonline/sumario/66/26032018155326.pdf

Machado, M. D. S., Machado, S. W. S., & Cohen, S. C. (2009, 18-20 de novembro). Impactos psicossociais causados pela inundação de 2008 em Petrópolis, RJ [Impactos psicosociales causados por inundación de 2008 en Petrópolis, RJ] [Anais de evento]. V Seminário Internacional da Defesa Civil–DEFENCIL, São Paulo, Brasil. https://defesacivil.uff.br/wp-content/uploads/sites/325/2020/10/Impactos-psicossociais-causados-pela-inundao-de-2008-em-Petrpolis-RJ-Defencil.pdf

Mansano, S. R. V. Quando eu soltar a minha voz sobre Brumadinho por favor entenda: aprendendo com nossa história em um janeiro de lama e dor [Cuando Hablo de

Brumadinho, por favor entiendan: aprender de nuestra historia en un enero de barro y dolor]. Organizações e Sustentabilidade, 7(2), 11-15. https://doi.org/10.5433/2318-9223.2019v7n2p11

Matos, R., & Silva, J. C. S. (2016). Uma contribuição da ergonomia comunitária e da resiliência comunitária em situação de desastres: o caso de mãe Luiza, Natal-RN [Una contribución de la ergonimía comunitaria e la resiliencia comunitaria en situaciones de desastre, el caso de mãe Luiza, Natal–RN]. Revista Ação Ergonômica, 10(2). https://www.revistaacaoergonomica.org/journal/abergo/article/62799b68a953955b7514e114

Melo, C. A., & Santos, F. A. D. (2011). As contribuições da psicologia nas emergências e desastres [Los aportes de la psicología en emergencias y desastres]. Psicólogo informação, 15(15), 169-181. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-88092011000100012

Neves, J. L. (1996). Pesquisa qualitativa: características, usos e possibilidades [Investigación cualitativa: características, usos y posibilidades]. Caderno de pesquisas em administração, 1(3), 1-5.

Noronha, M. G. R. D. C., Cardoso, P. S., Moraes, T. N. P., & Centa, M. D. L. (2009). Resiliência: nova perspectiva na promoção da saúde da família? [Resiliencia: una nueva perspectiva

en la promoción de la salud familiar?] Ciência & Saúde Coletiva, 14(2), 497-506. https://doi.org/10.1590/S1413-81232009000200018

Oliveira, A. T. C., & Morais, N. A. D. (2018). Resiliência comunitária: um estudo de revisão integrativa da literatura [Resiliencia comunitária: un estudio integrador de revisión de la literatura]. Trends in Psychology, 26(4), 1731-1745. https://doi.org/10.9788/TP2018.4-02Pt

Organização das Nações Unidas (ONU). (2015, 24 de novembro). Brasil está entre os 10 países com maior número de afetados por desastres nos últimos 20 anos [Brasil está entre

los 10 países con mayor numero de personas afectadas por desastres en los últimos 20 anõs]. Nações Unidas Brasil. https://brasil.un.org/pt-br/71500-onu-brasil-est%C3%A1-entre-os-10-pa%C3%ADses-com-maior-n%C3%BAmero-deafetados-por-desastres-nos-%C3%BAltimos-20

Ornell, F., Schuch, J. B., Sordi, A. O., & Kessler, F. H. P. (2020). “Pandemic fear” and COVID-19: mental health burden and strategies [“Miedo pandémico” y COVID-19: carga y estrategias de salud mental]. Brazilian Journal of Psychiatry, 42(3), 232-235. https://doi.org/10.1590/1516-4446-2020-0008

Pacheco, R. F., & Souza, S. R. E. (2016). A psicologia junto às políticas públicas em situações de emergências e desastres [Psicología con políticas públicas en situaciones de emergencia y desastre]. Pretextos - Revista Da Graduação Em Psicologia Da PUC Minas, 2(3), 131-149. http://periodicos.pucminas.br/index.php/pretextos/article/view/14252

Paranhos, M. E., & Werlang, B. S. G. (2015). Psicologia nas emergências: uma nova prática a ser discutida [Psicología en emergencias: una nueva práctica a discutir]. Psicologia: Ciência e Profissão, 35(2), 557-571. https://doi.org/10.1590/1982-370301202012

Paulino, F. A. & Franco, G. F. (2018). A atuação do psicólogo frente às emergências e desastres [El papel del psicólogo ante emergencias y desastres]. Ciências Humanas e Sociais, 5(1), 81- 98. https://periodicos.set.edu.br/fitshumanas/article/view/5309

Rafaloski, A. R., Zeferino, M. T., Forgearini, B. A. O., Fernandes, G. C. M., & Menegon, F. A. (2020). Saúde mental das pessoas em situação de desastre natural sob a ótica dos trabalhadores envolvidos [La salud mental de las personas en situación de desastre natural desde la perspectiva de los trabajadores implicados]. Saúde Em Debate, 44. https://doi.org/10.1590/0103-11042020E216

Resolução nº 510/2016 – Dispõe sobre a pesquisa em Ciências Humanas e Sociais [Resolución nº 510/2016 - Prevé la investigación en Ciencias Humanas y Sociales]. https://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2016/Reso510.pdf

Rey, F. L. G. (2004). O social na Psicologia e a Psicologia Social: a emergência do sujeito.[Lo social en psicología y psicología social: el surgimiento del sujeto] [V. L. M. Joscelyne, Trad.]. Vozes.

Roos, D., & Menezes, T. (2015). Desastres aéreos e intervenções psicológicas: Prevenção do transtorno de estresse pós-traumático [Catástrofes aéreas e intervenciones psicológicas: Prevención del trastorno de estrés postraumatico]. Revista Conexão Sipaer, 6(1), 61-64.

Saito, S. M. (2015). Desastres Naturais: conceitos básicos [Desastres Naturales: conceptos básicos]. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. http://www.inpe.br/crs/crectealc/pdf/silvia_saito.pdf.

Sanguebuche, S. D. F. (2016). A psicologia e as perspectivas frente a emergências e desastres [Psicología y perspectivas ante emergencias y desastres]. [Trabalho de conclusão de curso, Universidade Federal do Rio Grande do Sul]. Repositório digital UFRGS. https://lume.ufrgs.br/handle/10183/149391

Silva, C. R., Gobbi, B. C., & Simão, A. A. (2005). O uso da análise de conteúdo como uma ferramenta para a pesquisa qualitativa: descrição e aplicação do método [El uso del análisis de contenido como herramienta para la investigación cualitativa: descripción y aplicación del método]. Organizações rurais & agroindustriais, 7(1), 70-81. http://www.spell.org.br/documentos/ver/27745/o-uso-daanalise-de-conteudo-como-uma-ferrament---

Silva, V, B. (2013). A psicologia nas situações de emergências e desastres: uma reflexão humanista [Psicología en situaciones de emergencia y desastre: una reflexión humanista]. [Monografia, Universidade Estadual da Paraíba]. Biblioteca Digital da Universidade Estadual da Paraíba. http://dspace.bc.uepb.edu.br:8080/xmlui/handle/123456789/2223

Souza, N. L. F. (2017). A atuação da psicologia em desastres e emergências [La actuación de la psicología en desastres y emergencias]. Revista da Escola Superior de Guerra, 27(55), 81-93. https://doi.org/10.47240/revistadaesg.v27i55.227

Spink, P. K. (2003). Pesquisa de campo em psicologia social: uma perspectiva pós-construcionista [Investigación de campo en psicología social: una perspectiva posconstruccionista]. Psicologia & Sociedade, 15(2), 18-42. https://doi.org/10.1590/S0102-71822003000200003

Trindade, M. C., & Serpa, M. G. (2013). O papel dos psicólogos em situações de emergências e desastres [El papel de los psicólogos en situaciones de emergencia y desastres]. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 13(1), 279-297. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-42812013000100017

Triviños, A. N. S. (1987). Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação [Introducción a la investigación en ciencias sociales: investigación cualitativa en educación]. Atlas.

Weintraub, A. C. A. D. M., Noal, D. D. S., Vicente, L. N., & Knobloch, F. (2015). Atuação do psicólogo em situações de desastre: reflexões a partir da práxis [El papel del psicólogo en situaciones de desastre: reflexiones a partir de la praxis]. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, 19(53), 287-298. https://doi.org/10.1590/1807-57622014.0564

Publicado

16.06.2023

Edição

Seção

Artigos Originais

Como Citar

O papel do psicólogo frente a situações de desastres. (2023). Revista Psicologia, Diversidade E Saúde, 12, e4755. https://doi.org/10.17267/2317-3394rpds.2023.e4755

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

<< < 32 33 34 35 36 37 38 > >>