Jovens diante da morte: experiências de sobreviventes de acidentes de trânsito e tentativas de homicídios

Autores

DOI:

https://doi.org/10.17267/2317-3394rpds.2023.e5143

Palavras-chave:

Jovens, Atitude Frente à Morte, Acidentes de trânsito, Homicídio, Psicologia da Saúde

Resumo

INTRODUÇÃO: Ainda hoje, a morte é um tema tabu, fortemente associado ao envelhecimento. Contudo, é preocupante o número de jovens que se envolvem em situações inesperadas, como os acidentes de trânsito e as tentativas de homicídio, levando-os a se depararem com sua finitude. OBJETIVO: compreender e analisar a experiência de jovens sobreviventes de acidentes de trânsito e tentativas de homicídios. MÉTODO: Foram realizadas entrevistas narrativas com oito jovens, com idade entre 19 e 29 anos, que residem no estado de Mato Grosso do Sul e que se sobreviveram a acidentes de trânsito ou tentativas de homicídio. As entrevistas foram orientadas por um roteiro semiestruturado e foram analisadas na perspectiva da Análise de Conteúdo. RESULTADOS: O discurso dos jovens entrevistados aponta para as implicações existenciais das mudanças impostas pelas intercorrências, sobretudo a partir dos impactos que elas causaram, alterando tanto suas rotinas como também a forma como pensavam e viviam. Além disso, essa experiência também trouxe implicações na percepção da imagem corporal, além de mudanças em outros âmbitos da vida dos entrevistados, como o trabalho, os estudos, bem como as relações familiares e de amizade, que também foram afetadas. CONCLUSÃO: Faz-se necessária uma maior compreensão dessas experiências, com o intuito de contribuir com elaboração de estratégias em saúde para ajudar esses jovens a lidarem com as consequências das ocorrências que, muitas vezes, são graves e permanentes.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Referências

Abdulah, D. M., Abdulla, B. M. O., & Liamputtong P. (2023). The lived experience of surviving from the Islamic State attack and capture in Iraq and Syria: An arts-based qualitative study with Yazidi young women [La experiencia vivida de sobrevivir al ataque y captura del Estado Islámico en Irak y Siria: un estudio cualitativo basado en el arte con mujeres jóvenes yazidíes]. International Journal of Social Psychiatry, 69(1), 117–133. https://doi.org/10.1177/00207640211068981

Aguiar, A., Camargo, B. V., & Bousfield, A. B. S. (2018). Envelhecimento e Prática de Rejuvenescimento: Estudo de Representações Sociais [Envejecimiento y Práctica de Rejuvenecimiento: Estudio de Representaciones Socieales]. Psicologia: Ciência e Profissão, 38(3), 494–506. https://doi.org/10.1590/1982-37030004492017

Avanci, J. Q., Serpeloni, F., Oliveira, T. P., & Assis, S. G. (2021). Posttraumatic stress disorder among adolescents in Brazil: a cross-sectional study [Trastorno de estrés postraumático entre adolescentes en Brasil: un estudio transversal]. BMC Psychiatry, 21, 75. https://doi.org/10.1186/s12888-021-03062-z

Azevedo, A. K. S. (2013). Não há você sem mim: histórias de mulheres sobreviventes de uma tentativa de homicídio [No hay tú sin mí: historias de mujeres que sobrevivieron a un intento de asesinato] [Tese de doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Norte]. Repositório Institucional UFRN. https://repositorio.ufrn.br/handle/123456789/17399

Bardin, L. (2016). Análise de conteúdo [An´álisis de contenido]. Edições 70.

Bizarria, F. P. A., Figueredo, I. B., Cavalcante, S. N., Silva, E. J. D., & Barbosa, F. L. S. (2022). Políticas Públicas de Saúde para a Juventude - Estudo Bibliométrico e Agenda de Pesquisa com base na Web of Science [Políticas de Salud Pública para Jóvenes - Agenda de Estudio e Investigación Bibliométrica basada en Web of Science]. Ciência & Saúde Coletiva, 27(10), 3975–3985. https://doi.org/10.1590/1413-812320222710.04812022

Brito, A. M. M., Belloni, E., Castro, A., Camargo, B. V., & Giacomozzi, A. I. (2018). Representações sociais do cuidado e da velhice no Brasil e Itália [Representaciones sociales del cuidado y la vejez en Brasil y Italia]. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 34, e3455. https://doi.org/10.1590/0102.3772e3455

Carmo, T. M. (2010). Acidentes de trânsitos e produções de sentidos [Accidentes de tránsito y producción de significados]. [Dissertação de mestrado, Universidade Católica Dom Bosco]. UCDB. https://site.ucdb.br//public/md-dissertacoes/8126-acidentes-de-transito-e-producao-de-sentidos.pdf

Costa, D. H., Schenker, M., Njaine, K., & Souza, E. R. (2017). Homicídio de jovens: os impactos da perda em famílias de vítima. [Homicidio juvenil: los impactos de la pérdida en las familias de las víctimas]. Physis Revista de Saúde Coletiva, 27(3), 685–705. https://doi.org/10.1590/S0103-73312017000300016

Cunha, T., & Santos, C. (Eds.). (2011). Artigo feminino: elas no sul e no norte [Artículo femenino: ellos en el sur y en el norte]. Vento Norte Cartonero.

Dantas, J. B., Borge, J. E. R., & Dutra, A. B. (2021). Entre a morte e a experiência da finitude: histórias e diálogos com o contemporâneo [Entre la muerte y la experiencia de la finitud: relatos y diálogos con el contemporâneo]. Revista do NUFEN, 13(1), 41–55. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2175-25912021000100004

Dantas, B. L. L., Oliveira Júnior, J. H., Batista, J. F. C. (2021). Morbidade por causas externas como fator de internação hospitalar no Brasil em 2019. [Morbilidad por causas externas como factor de ingresos hospitalarios en Brasil en 2019]. Ciências Biológicas e de Saúde Unit, 6(3), 109–120. https://periodicos.set.edu.br/cadernobiologicas/article/view/9964

Instituto Brasileiro de Geografia Estatística. (2019). Tábuas completas de mortalidade. [Tablas de mortalidad completas]. IBGE. https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/populacao/9126-tabuas-completas-de-mortalidade.html?=&t=o-que-e

Kovács, M. J. (2021). Educação para a morte: quebrando paradigmas. [Educación para la muerte: rompiendo paradigmas]. Sinopsys.

Maranhão, J. L. S. (2017). O que é morte? [¿Qué es la muerte?] Editora Brasilense.

Marques, M., Barbiani, R., Nora, C. R. D., Cremonese, L., Miguel, T. B., Ciconet, R. M., & Farias, E. R. (2022). Line of care for the attention to morbimortality from external causes in adolescents and young people [Línea de atención para la atención de la morbimortalidad por causas externas en adolescentes y jóvenes]. Revista Brasileira de Enfermagem, 75(suppl 2), e20200428. https://doi.org/10.1590/0034-7167-2020-0428

Martins, A. M., Savassi, L. C. M., Almeida, S. S. L., & Modena, C. M. (2012). Privação e padecimento: uma compreensão existencial do ser-hanseniano [Privación y Padecimento: una compreención existencial de lo ser diante de la hanseníase]. Hansenologia Internationalis, 37(1), 59-67. https://doi.org/10.47878/hi.2012.v37.35087

Medeiros, M. D. R. (2016). Violência no trânsito e juventude interrompida: Os impactos da morte extemporânea no seio familiar. [Violencia en el tráfico y juventud interrumpida: los impactos de la muerte prematura en el seno de la familia]. [Trabalho de conclusão de curso, Centro Universitário Católico de Vitória]. https://unisales.br/wp-content/uploads/2021/10/tcc-engprod-matheus-1.pdf

Melo, W. A., & Mendonça, R. R. (2021). Caracterização e distribuição espacial dos acidentes de trânsito não fatais. [Caracterización y distribución espacial de los accidentes de tráfico no mortales]. Cadernos de Saúde Coletiva, 29(1). https://doi.org/10.1590/1414-462X202129010364

Moura, A., Carvalho J. P. G., & Silva, M. A. B. (2018). Urgência e emergência: conceitos e atualidades. [Urgencia y emergencia: conceptos y actualidad]. Saúde & Conhecimento, 1(1), 12–18. https://periodicos.univag.com.br/index.php/jornaldemedicina/article/view/744

Nicolau, I. F., Prado, J. A., Gonçalves, L. P. P., Pacheco, R. F., & Souza, S. D. (2018). Consideração acerca da atuação da psicologia frente a situações de violência em um hospital de urgência e emergência. [Consideración sobre el papel de la psicología en situaciones de violencia en un hospital de emergencia]. Revista Médica de Minas Gerais, 28(suppl 5), 140–160. https://rmmg.org/artigo/detalhes/2444#

Oliveira, P. I. D., & Anderson, M. I. P. (2020). Envelhecimento, finitude e morte. [Envejecimiento, finitud y muerte]. Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade 15(42), 2195. https://doi.org/10.5712/rbmfc15(42)2195

Paula, B., & Souza, L. A. (2020). O tabu da morte na modernidade: a COVID-19 como um reforço ao interdito. [El tabú de la muerte en la modernidad: el COVID-19 como refuerzo de la prohibición]. Caminhos de Diálogo, 8(13), 165–176. https://doi.org/10.7213/cd.a8n13p165-176

Rodrigues, E. F. (2017). Trauma, trânsito e vítimas: um olhar sobre a pessoa e a família [Trauma, tráfico y víctimas: una mirada a la persona y a la família] [Tese de doutorado, Universidade de São Paulo]. Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. https://doi.org/10.11606/T.7.2018.tde-27042018-105029

Rosa, A. E. S. K., & Rosa, E. P. K. (2010). Análise do memorial da finitude de Sartre na obra "A cerimônia do adeus", de Simone de Beauvoir [Análisis del memorial de la finitud de Sartre en la obra “La ceremonia de despedida”, de Simone de Beauvoir]. Memorialidades, 7(13), 121–142. http://periodicos.uesc.br/index.php/memorialidades/article/view/105

Santos, Z. P., Bortolin, S., & Alcará, A. (2019). Entrevista narrativa: possibilidade de aplicação na Ciência da informação [Entrevista narrativa: posibilidad de aplicación en Ciencias de la Información]. Rebecin, 6(2), 44–66. http://dx.doi.org/10.24208/rebecin.v6i2.188

Silva, G. S. R., Marinho, L. M. S., Silva, F. W. S., Rocha, F. C. V., Landim, C. A. P., & Lago, E. C. (2018). Visão do idoso sobre a morte [La visión de la muerte de las personas mayores]. Revista Interdisciplinar, 11(4), 30–41. https://uninovafapi.homologacao.emnuvens.com.br/revinter/article/view/1173

Silva, E. P. L. (2020). Contextos de institucionalização da velhice e representações sociais da morte: a perspectiva de idosos institucionalizados [Contextos de institucionalización de la vejez y representaciones sociales de la muerte: la perspectiva de los ancianos institucionalizados]. [Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Pernambuco]. Repositório Institucional da UFPE. https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/38194

Sousa, J. R., & Santos, S. C. M. (2020). Análise de conteúdo em pesquisa qualitativa: modo de pensar e de fazer [Análisis de contenido en la investigación cualitativa: forma de pensar y hacer]. Pesquisa e Debate em Educação, 10(2), 1396–1416. https://doi.org/10.34019/2237-9444.2020.v10.31559

Souza, K. H. J. F., Damasceno, C. K. C. S., Almeida, C. A. P. L., Magalhães, J. M., & Ferreira, M. A. (2019). Humanização nos serviços de urgência e emergência: contribuições para o cuidado de enfermagem. [Humanización en los servicios de urgencia y emergencia: aportes a la atención de enfermería]. Revista Gaúcha de Enfermagem, 40, e20180263. https://doi.org/10.1590/1983-1447.2019.20180263

Teixeira, A. L. (2016). Gestão de vida e morte: um olhar sobre o morrer no Contemporâneo [Gestión de la vida y la muerte: una mirada al morir en lo contemporâneo]. Ayvu: Revista de Psicologia, 2(2), 150–171. https://periodicos.uff.br/ayvu/article/view/22204

Publicado

24.10.2023

Edição

Seção

Artigos Originais

Como Citar

Jovens diante da morte: experiências de sobreviventes de acidentes de trânsito e tentativas de homicídios. (2023). Revista Psicologia, Diversidade E Saúde, 12, e5143. https://doi.org/10.17267/2317-3394rpds.2023.e5143

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

<< < 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >>