“Tudo é violência, viver é violência!”: representações sociais e vivências de mulheres em situação de rua

Autores

DOI:

https://doi.org/10.17267/2317-3394rpds.2022.e4027

Palavras-chave:

Representações Sociais, Violência, Mulheres, Belo Horizonte

Resumo

OBJETIVO: Esta pesquisa analisou as representações sociais sobre a violência para mulheres em situação de rua na regional Centro-Sul da cidade de Belo Horizonte. MÉTODOS: Se trata de pesquisa qualitativa em que foram aplicados 22 questionários a mulheres em situação de rua e conduzidas entrevistas narrativas com três delas e a análise de dados foi a partir da análise de conteúdo. RESULTADOS: A análise de dados está construída a partir de três movimentos: (a) apresentação do contexto da pesquisa, (b) o perfil das participantes da pesquisa e (c) as categorias de análise conjugando os questionários e entrevistas feitas – a saber, violência e identidade de gênero, local de vida, de inserção social ou de proteção à violência?; a ocupação e a violência, a violência dos ‘companheiros’ e violência institucional. DISCUSSÃO: Identificou-se que a violência é algo presente no cotidiano das mulheres em situação de rua de Belo Horizonte, marcando diretamente as formas de pensar, sentir e agir destas mulheres. CONCLUSÃO: Entendemos que a violência dita e organiza formas de pensar, sentir e agir das mulheres em situação de rua, inclusive na necessidade de reconstruir e (re)visitar categorias previamente elaboradas para explicar processos que requerem, para além da teorização, a experiência de estar no mundo, frente aos fenômenos que significam e ressignificam as identidades, diante das estratégias que elas traçam em torno da violência e da forma de autopreservação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Alcântara, S. C. D., Abreu, D. D. A., & Farias, A. A. (2015). Pessoas em situação de rua: das trajetórias de exclusão social aos processos emancipatórios de formação de consciência, identidade e sentimento de pertença [Personas sin hogar: de las trayectorias de exclusión social a los procesos emancipatorios de formación de la conciencia, la identidad y el sentido de pertenencia]. Revista Colombiana de Psicología, 24(1), 129-143. https://doi.org/10.15446/rcp.v24n1.40659

Alves, M. E. R. (2013). As moradoras de rua entram em cena: A violênica contra a mulher moradora de rua como uma das expressões da "questão social" [Las mujeres en situación de calle entran en escena: La violencia contra las mujeres en situación de calle como una de las expresiones de la "cuestión social"]. ". In VI Jornada Internacional de Políticas Públicas. http://www.joinpp.ufma.br/jornadas/joinpp2013/JornadaEixo2013/anais-eixo7-questoesdegeneroetniaegeracao/pdf/asmoradorasderuaentramemcena.pdf

ANTRA. (2018). Dossiê dos assassinatos e da violência contra travestis e transexuais no Brasil em 2018 [Dossier sobre asesinatos y violencia contra travestis y transexuales en Brasil en 2018]. https://antrabrasil.files.wordpress.com/2019/01/dossie-dos-assassinatos-e-violencia-contra-pessoas-trans-em-2018.pdf.

Bardin, L. (1977) Análise de Conteúdo [Análisis de contenido]. Edições70.

Cisne, M. (2012). Gênero, Divisão Sexual do Trabalho e Serviço Social [Género, División Sexual del Trabajo y Trabajo Social]. Outras Expressões.

Damasceno Junior, A., & Riani, S. R. N. (2019). Gênero, diversidade sexual e direitos humanos: uma visão sobre a LGBTfobia institucional [Género, diversidad sexual y derechos humanos: una mirada sobre la LGBTfobia institucional]. In: F. Z. Amorin, J. G. D. S. Izabel, M. M. Saadallah (Org.). O fazer da Psicologia no Sistema Único de Assistência Social (p. 188). Conselho Regional de Psicologia.

Esquerda Diário. (2020, 28 de janeiro). Transfeminicídio - Brasil segue sendo o país que mais mata transexuais e travestis no mundo [[Transfemicidio | Brasil sigue siendo el país que más mata transexuales y travestis en el mundo]. https://www.esquerdadiario.com.br/Brasil-segue-sendo-o-pais-que-mais-mata-transexuais-e-travestis-no-mundo. Acesso em 20 de junho 2020.

Francisco, D. C. E. (2009). Políticas públicas paliativas, ou mesmo a inexistência de ações do governo, contribuem para a manutenção da população em situação de rua no Brasil [Las políticas públicas paliativas, o incluso la ausencia de acciones gubernamentales, contribuyen a mantener la población sin hogar en Brasil]. Brasil Escola. https://brasilescola.uol.com.br/brasil/populacao-situacao-rua.htm

Gonçalves Filho, J. M. (1998). Humilhação Social - um Problema Político em Psicología [Humillación social: un problema político en psicologia]. Psicologia USP, 9(2), 11-67. https://doi.org/10.1590/S0103-65641998000200002

Jodelet, D. (2001). As Representações Sociais [Las Representaciones Sociales]. EDUERJ.

Jodelet, D. (2009). O movimento de retorno ao sujeito e a abordagem das representações sociais [El movimiento de retorno al sujeto y el acercamiento a las representaciones sociales]. Sociedade e Estado, 24(3), 679-712. https://www.scielo.br/j/se/a/bqm4vwYnbPvPy9dDGMWHqZt/?lang=pt&format=pdf.

Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006. (2006). Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do § 8º do art. 226 da Constituição Federal, da Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres e da Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher; dispõe sobre a criação dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher; altera o Código de Processo Penal, o Código Penal e a Lei de Execução Penal; e dá outras providências [Crea mecanismos para frenar la violencia doméstica y familiar contra la mujer, en los términos del § 8 del art. 226 de la Constitución Federal, la Convención sobre la Eliminación de Todas las Formas de Discriminación contra la Mujer y la Convención Interamericana para Prevenir, Sancionar y Erradicar la Violencia contra la Mujer; prevé la creación de Juzgados de Violencia Doméstica y Familiar contra la Mujer; reforma el Código Procesal Penal, el Código Penal y la Ley de Ejecución Penal; y tomar otras medidas]. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11340.htm

Moscovici, S. (2003). Representações sociais: investigações em psicologia social [Representaciones sociales: investigaciones en psicología social]. Vozes. [Texto originalmente publicado em 2000]

Moscovici, S. (2012). A psicanálise, sua imagem e o seu público [El psicoanálisis, su imagen y su público]. Vozes. [Texto originalmente publicado em 1951].

Muylaert, C. J., Sarubbi Jr., V., Gallo, P. R., Rolim Neto, M. L., & Reis, A. O. A. (2014). Entrevistas narrativas: um importante recurso em pesquisa qualitativa [Entrevistas narrativas: un recurso importante en la investigación cualitativa]. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 48(2), 184-189. https://doi.org/10.1590/S0080-623420140000800027

Organização das Nações Unidas (ONU). (1993). Declaración sobre la eliminación de violencia contra la mujer. https://www.ohchr.org/es/instruments-mechanisms/instruments/declaration-elimination-violence-against-women

Pedra, C. B. (2018). Acesso à cidadania por travestis e transexuais no Brasil: um panorama da atuação do Estado no enfrentamento das exclusões [Acceso a la ciudadanía para travestis y transexuales en Brasil: un panorama del papel del Estado en el enfrentamiento de las exclusiones] [Disertación de maestría, Fundação João Pinheiro]. Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da Fundação João Pinheiro. http://tede.fjp.mg.gov.br/handle/tede/381

Ribeiro, P. (2017). O campo, a violência e a educação do campo: representações sociais sobre a violência de educandos do curso de licenciatura em Educação do Campo [El campo, violencia y educación en el campo: representaciones sociales de la violencia por parte de estudiantes de la carrera de Educación Rural]. Gramma.

Ribeiro, L. P. (2019). Relatório de Residência Pós-Doutoral [Informe de residencia posdoctoral]. UFMG

Rizzini, I., & Couto, R. M. B. (2019). População infantil e adolescente nas ruas: Principais temas de pesquisa no Brasil [Población infantil y adolescente en la calle: Principales temas de investigación en Brasil]. Revista de Ciências Sociais, 19(1), 105-122. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2019.1.30867

Sposati, A. (1999). Exclusão social abaixo da linha do Equador [Exclusión social debajo del Ecuador]. In: M. P. Véras (Org.). Por uma Sociologia da Exclusão. O Debate com Serge Paugam. EDUC.

Tiene, I. (2004). Mulher Moradora na Rua: entre vivências e políticas sociais [Mujer Residente en la Calle: entre experiencias y políticas sociales]. Alínea.

Vieira, M. A. C., Bezerra, E. M. R., & Rosa, C. M. M. (1992). População de Rua: Quem é, Como vive, Como é vista [Personas sin hogar: quiénes son, cómo viven, cómo se les ve]. Hucitec.

Publicado

2022-11-30

Como Citar

Temponi, S. R. N., Ribeiro, L. P. ., Pinheiro, T. M. M. ., & Carvalho, S. M. . (2022). “Tudo é violência, viver é violência!”: representações sociais e vivências de mulheres em situação de rua. Revista Psicologia, Diversidade E Saúde, 11, e4027. https://doi.org/10.17267/2317-3394rpds.2022.e4027

Edição

Seção

Artigos Originais